Paróquia de S. Cristóvão do Muro

Vigararia Trofa/Vila do Conde
Diocese do Porto - Portugal

sábado, 31 de agosto de 2013

Boletim Paroquial nº 64

Semana de 1 a 8 de Setembro 2013
XXII Domingo do Tempo Comum - ANO C

O GRANDE DESAFIO


A liturgia deste domingo propõe-nos uma reflexão sobre alguns valores que acompanham o desafio do “Reino”: a humildade, a gratuidade, o amor desinteressado.

O Evangelho coloca-nos no ambiente de um banquete em casa de um fariseu.
O enquadramento é o pretexto para Jesus falar do “banquete do Reino”.
A todos os que quiserem participar desse “banquete”, Ele recomenda a humildade; ao mesmo tempo, denuncia a atitude daqueles que conduzem as suas vidas numa lógica de ambição, de luta pelo poder e pelo reconhecimento, de superioridade em relação aos outros… Jesus sugere, também, que para o “banquete do Reino” todos os homens são convidados; e que a gratuidade e o amor desinteressado devem caracterizar as relações estabelecidas entre todos os participantes do “banquete”.

Na primeira leitura, um sábio dos inícios do séc. II a.C. aconselha a humildade como caminho para ser agradável a Deus e aos homens, para ter êxito e ser feliz.
É a reiteração da mensagem fundamental que a Palavra de Deus hoje nos apresenta.

A segunda leitura convida os crentes instalados numa fé cómoda e sem grandes exigências, a redescobrir a novidade e a exigência do cristianismo; insiste em que o encontro com Deus é uma experiência de comunhão, de proximidade, de amor, de intimidade, que dá sentido à caminhada do cristão.

Aparentemente, esta questão não tem muito a ver com o tema principal da liturgia deste domingo; no entanto, podemos ligar a reflexão desta leitura com o tema central da liturgia de hoje – a humildade, a gratuidade, o amor desinteressado – através do tema da exigência: a vida cristã – essa vida que brota do encontro com o amor de Deus – é uma vida que exige de nós determinados valores e atitudes, entre os quais avultam a humildade, a simplicidade, o amor que se faz dom.


Bíblia: FRANCISCANOS CAPUCHINHOS QUEREM CRISTÃOS MAIS FORMADOS
Terminada a 36ª Semana Bíblica nacional, organização prepara-se para semanas regionais de estudo das escrituras

Fátima, Santarém 30 ago 2013 (Ecclesia) - Palavra, fé e vida foram os elementos essenciais para formar os cristãos que participaram na 36ª Semana Bíblica Nacional, organizada pelos Franciscanos Capuchinhos, e que vão estar em estudo nas semanas regionais do novo ano pastoral.

Toda a temática aborda a perspectiva da fé que é transportada para a vida mas tem origem na palavra”, começa por explicar frei Herculano Alves o tema, “Palavra, fé e vida – da palavra de Deus à fé dos Homens”, da 36ª Semana Bíblica Nacional, dos Franciscanos Capuchinhos.

Não se podia conceber uma semana a falar apenas da fé porque nós sabemos que a raiz da fé está na palavra de Deus sendo essa fé a resposta à palavra”, revelou o biblista à Agência ECCLESIA.

A semana bíblica terminou esta quinta-feira, no Seminário do Verbo Divino, em Fátima, com um balanço “muitíssimo positivo”.

Com uma afluência de 280 participantes, a organização refere que o ponto negativo foi “a crise que pesa no orçamento familiar e se sente também na bíblia”, revela o frei Herculano Alves, director da revista Bíblica.

Os temas apresentados neste encontro nacional são “sempre o modelo” para as semanas bíblicas regionais que os Franciscanos Capuchinhos animam anualmente na Madeira, nos Açores, em Gondomar, em Barcelos e no Porto, “ou em outros lugares, como Viseu”, revela o frei Herculano Alves.

Embora não com a calma e tranquilidade como na semana bíblica nacional onde há conferências de manhã e de tarde, e onde as pessoas estão o dia todo em estudo, reflexão e oração”, assinala.

Para o biblista, a “nova evangelização ou simplesmente evangelização” faz-se através da bíblia e para isso é necessário “levar” aos fiéis o seu conhecimento, para que estes saibam fazer uma “boa interpretação” da sagrada Escritura.

As semanas bíblicas nacionais são um espaço de “formação de qualidade e quantidade” com conferencistas “altamente competentes, conhecidos da Igreja em Portugal”, assinala o frei Herculano Alves que pretende que exista mais participação dos cristãos e maior colaboração das dioceses na sua divulgação.

Por isso, os franciscanos capuchinhos gostariam que se desenvolvessem “parcerias” com os organismos diocesanos, para que “os católicos ou pelo menos as pessoas responsáveis pela pastoral pudessem participar nesta formação nacional”.

As conferências da 36ª Semana Bíblica Nacional vão ser publicadas no final de Setembro, na “série científica da revista Bíblica”, informa o frei Herculano Alves.

O responsável conclui que em Outubro se inicia a organização o tema da próxima edição da semana bíblica, publicado posteriormente na revista Bíblica.


Vaticano: PAPA ESCREVEU AOS PARTICIPANTES DO 13.º SIMPÓSIO INTERCRISTÃO
Encontro aborda relação entre o mundo cristão e o poder civil 1700 anos depois do Édito de Milão


Cidade do Vaticano, 30 ago 2013 (Ecclesia) – O Papa enviou uma mensagem ao presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade entre os Cristãos, por ocasião do 13.º Simpósio Intercristão que termina hoje na cidade de Milão.

Na missiva, endereçada ao cardeal Kurt Koch, destaca a relevância do encontro numa altura em que se assinalam os 1700 anos do Édito de Milão, assinado pelo imperador romano Constantino (274-337).

Aquela decisão histórica, que decretou a liberdade religiosa para todos os cristãos, abriu novas perspectivas à difusão do Evangelho e contribuiu de maneira determinante para o nascimento da sociedade europeia”, realça o Papa, no texto disponibilizado pela sala de imprensa da Santa Sé.

O Simpósio Intercristão, acolhido pela Universidade Católica do Sagrado Coração, tem como tema “A vida dos cristãos e o poder civil – questões históricas e perspectivas actuais no Oriente e Ocidente”.

Conta com a organização do Instituto Franciscano de Espiritualidade da Universidade Pontifícia Antonianum e da Faculdade Teológica Ortodoxa da Universidade Aristóteles de Salónica.

Para Francisco, “a memória do Édito de Milão oferece aos participantes do Simpósio a oportunidade de reflectirem sobre o modo como o mundo cristão se tem relacionado com a sociedade civil e com as autoridades que a regulam”.

Apesar de se tratar de uma questão que conheceu “diferentes desenvolvimentos”, no Ocidente e no Oriente, ela “conservou alguns traços fundamentais comuns”, realça o Papa.

Entre elas – salientou - está “a convicção de que o poder civil encontra o seu limite diante da lei de Deus, a reivindicação do espaço certo de autonomia para a consciência, a noção de que a autoridade eclesiástica e o poder civil são chamados a trabalhar em conjunto pelo bem integral da comunidade humana”.


AVISOS

HORÁRIOS DAS MISSAS
Terça-feira, dia 3 de Setembro, às 19:00
Sábado, dia 7 de Setembro, às 17:00
Domingo, dia 8 de Setembro, às 9:15


ATENDIMENTO
Terça-feira das 17:00 às 18:30

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

FESTIVIDADES a S. GENS de CIDAI



Iniciam-se este fim de semana, na vizinha Paróquia de Santiago de Bougado, as Festas Religiosas em S. Gens de Cidai

[actualizado com Programa das Festas 2017]

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

MENSAGENS DO PAPA FRANCISCO E BARTOLOMEU I PARA O SIMPÓSIO INTERCRISTÃO



O Papa Francisco enviou uma mensagem, nesta quinta-feira, aos participantes do 13° Simpósio Intercristão a decorrer na cidade de Milão, na Itália, promovido pelo Instituto Franciscano de Espiritualidade da Pontifícia Universidade Antonianum de Roma e pela Faculdade Teológica Ortodoxa da Universidade Aristóteles de Salónica, na Grécia.

"A vida dos cristãos e o poder civil. Questões históricas e perspectivas actuais no Oriente e Ocidente" é o tema do encontro promovido no âmbito do Ano Constantiniano pelos 1.700 anos do Edito de Milão.

"A histórica decisão de Constantino com a qual foi decretada a liberdade religiosa para os cristãos, abriu novos caminhos para a difusão do Evangelho e muito contribuiu para o nascimento da civilização europeia", ressalta Francisco na mensagem.

Esse acontecimento transmitiu para o Oriente e Ocidente "a convicção de que o poder civil tem o seu limite perante a Lei de Deus, a reivindicação do espaço justo de autonomia para a consciência, a consciência de que a autoridade eclesiástica e o poder civil são chamados a colaborar para o bem integral da comunidade humana", conclui o Papa.


O Patriarca Ecuménico de Constantinopla, Bartolomeu I, também enviou uma mensagem aos participantes do 13° Simpósio Intercristão.

Ressalta no documento a importância do Edito de Milão que permitiu aos cristãos "o livre exercício de seus deveres culturais e religiosos e o reconhecimento da liberdade religiosa em geral".

"O tema escolhido diz respeito ao relacionamento da vida cristã com o poder político, um tema actual em nossos dias, em que por um lado a tentação do poder influencia em alguns casos a vida dos cristãos e por outro, certas formas de poder político no mundo contemporâneo trabalham negativamente ou colocam em perigo suas vidas", frisa Bartolomeu I.

Conclui a mensagem desejando sucesso nos trabalhos do simpósio e invocando as bênçãos divinas para que possa dar frutos em favor do bem da Igreja e do progresso da colaboração destes institutos científicos.

Rádio Vaticano, 29-08-2013

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

SONHO DE LUTHER KING DEVE SER HONRADO

Afirmou o Cardeal de Washington


O sonho de Martin Luther King continua vivo, depois de 50 anos.

Recordando os cinquenta anos do célebre discurso “Eu tenho um sonho” (I have a dream), de Martin Luther King, o Cardeal de Washington, Donald William Wuerl, ressalta o empenho da Igreja Católica nos EUA com a justiça racial e social.

A magistral estátua de King, no novo memorial em Washington, lembra-nos seu imponente compromisso em conduzir nossa nação à plena consciência da igualdade de todas as pessoas diante de Deus”, declara o cardeal, publicado no Osservatore Romano.

O seu sonho, tão enraizado na oração e na Sagrada Escritura, continua a encorajar-nos a vermos uns aos outros como irmãos e irmãs, filhos do mesmo amoroso Deus”, continua.

O Cardeal Wuerl recorda seu predecessor arcebispo de Washington até 1973, Dom Patrick Aloysius O'Boyle, que rezava para que “os ideais da liberdade, abençoados pela nossa fé e por nossa herança democrática, prevaleçam no país”.

Naqueles dias, o então arcebispo incentivou grupos católicos, paróquias e universidades a participarem da marcha de 28 de Agosto de 1963, oferecendo hospitalidade a quem vinha de fora e disponibilizando faixas e cartazes contra o racismo.

Hoje temos que honrar a sua herança e continuar o seu trabalho” – afirma o actual cardeal. “Este compromisso implica oferecer oportunidades educativas para as crianças, principalmente as mais pobres, que seriam destinadas a escolas mais ‘escassas’”.

Os 96 colégios católicos da Arquidiocese de Washington recebem quase 30.000 crianças da capital e do Estado de Maryland, salienta Dom Wuerl. “Muitas delas pertencem a minorias e não são católicas. Para o próximo ano académico, 2013-2014, a arquidiocese destinou 5,5 milhões de dólares em subvenções aos impostos escolásticos, uma ajuda que sextuplicou nos últimos anos”, revela Dom Wuerl.

Rádio Vaticano, 28-08-2013

I have a dream

Foi há 50 anos, no dia 28 de Agosto de 1963, que Martin Luther King proferiu, em Washington, o célebre discurso "I Have a Dream".

Nesse discurso histórico, o activista Martin Luther King pela igualdade de direitos entre negros e brancos, defendeu a igualdade de direitos para todos.

Três anos depois, na cidade americana de Memphis, Martin Luther King foi assassinado.





Hoje, nos EUA, os sinos das igrejas de todo o país vão soar no momento em que o discurso foi feito.


O Presidente Barack Obama vai pronunciar um discurso nas escadarias do Lincoln Memorial, o mesmo local onde Luther King disse as famosas palavras.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

NOVO APELO DO PAPA PELA PAZ NA SÍRIA

"CESSE O BARULHO DAS ARMAS!
É A CAPACIDADE DE ENCONTRO E DIÁLOGO QUE OFERECE ESPERANÇA PARA RESOLVER OS PROBLEMAS"
é o novo apelo do Papa Francisco pela paz na Síria

No Angelus deste domingo o Papa Francisco lançou um novo apelo pela paz na Síria, especialmente após as notícias e imagens vindas daquele país ao longo desta semana.

No país, após quase dois anos e meio de guerra civil, morreram mais de 100 mil pessoas, das quais 7 mil crianças.
Mais de 4 milhões de refugiados e deslocados, 1/5 da população Síria.

Com grande sofrimento e preocupação continuo a acompanhar a situação na Síria.
O aumento da violência em uma guerra entre irmãos, com o multiplicar-se de tragédias e actos atrozes, que todos pudemos ver também nas terríveis imagens destes dias, me impele uma vez mais a exortar para que cesse o barulho das armas.
Não é o conflito que oferece perspectivas de esperança para resolver os problemas, mas a capacidade de encontro e de diálogo”.

Do fundo do seu coração o Papa exprime a sua proximidade com a oração e a solidariedade para com todas as vítimas deste conflito, para com todos aqueles que sofrem, especialmente as crianças e convida a manterem sempre acesa a chama da esperança de paz:

Faço um apelo à Comunidade Internacional para que se mostre mais sensível para com esta trágica situação e faça tudo o que for necessário para ajudar a cara Nação Síria a encontrar uma solução para a uma guerra que semeia destruição e morte”.

No final, o Santo Padre convidou os presentes a rezar a Maria, Rainha da Paz!

Rádio Vaticano, 25-08-2013

sábado, 24 de agosto de 2013

Boletim Paroquial 25AGO2013

XXI Domingo do Tempo Comum - ANO C
25 de Agosto de 2013

Esta semana não é editado o Boletim Paroquial.

Os comentários à liturgia do dia e os avisos foram já publicados no Boletim Paroquial nº 63.

Alterações aos Avisos podem ser vistas na Agenda da Paróquia, no final da página.



quinta-feira, 22 de agosto de 2013

FESTIVIDADES a SÃO ROQUE no PARADELO



Este fim de semana, na vizinha Paróquia de Alvarelhos, realizam-se as festividades em honra de São Roque.

Foi no tempo de São Roque que a Peste Negra (peste bubónica), vinda do oriente, atingiu a Europa e chegou a Lisboa em 1348 (reinado de D. Fernando), onde teria vitimado de um terço a metade da população.

Ao longo dos tempos ocorreram várias epidemias de Peste Negra, tendo a última atingido Portugal nos finais do século XIX.
 
Quando no início do século XVI ocorreu um dos surtos da epidemia e sendo conhecidos os milagres de São Roque contra a Peste Negra, o rei D. Manuel I solicitou a Veneza, em 1506, uma relíquia deste santo a fim de proteger a população de Lisboa.
Para a veneração da relíquia, foi construída pelos habitantes da cidade uma ermida – sagrada em 25 de Fevereiro de 1515, como viriam a ser construídas muitas outras em busca da protecção do Santo contra a peste, uma delas a de São Roque, no Paradelo.

Quanto à vida do Santo e suas lendas, sugerimos a leitura do sermão do saudoso Padre Manuel António Moreira, em Agosto de 1954, na festa de São Roque.
Ver na página da Paróquia de Alvarelhos: texto relativo à Capela de São Roque.


Programa das festividades:

Dia 16 de Agosto (memória litúrgica de São Roque)
21:00 - Missa em Acção de Graças a São Roque

Dia 22 de Agosto (quinta-feira)
21:00 - Missa em memória dos festeiros já falecidos

Dia 24 de Agosto (sábado)
08:30 – Grupo de Bombos inicia percurso a todos os lugares da freguesia
21:00 – Espectáculo de variedades
24:00 – Fogo de artifício

Dia 25 de Agosto (domingo)
10:00 – Missa Solene
14:30 – Espectáculo de variedades
16:45 – Celebração da Palavra seguida de Procissão
19:30 – Encerramento das festividades

sábado, 17 de agosto de 2013

Boletim Paroquial nº 63

Semana de 18 a 25 de Agosto 2013
XX Domingo do Tempo Comum - ANO C


O COMPROMISSO COM DEUS

 
A Palavra de Deus que hoje nos é servida convida-nos a tomar consciência da radicalidade e da exigência da missão que Deus nos confia.

Não há meios-termos: Deus convida-nos a um compromisso, corajoso e coerente, com a construção do “novo céu” e da “nova terra”.

É essa a nossa missão profética.

A primeira leitura apresenta-nos a figura do profeta Jeremias.

O profeta recebe de Deus uma missão que lhe vai trazer o ódio dos chefes e a desconfiança do Povo de Jerusalém: anunciar o fim do reino de Judá.

Jeremias vai cumprir a missão que Deus lhe confiou, doa a quem doer.

Ele sabe que a missão profética não é um concurso de popularidade, mas um testemunhar, com verdade e coerência, os projectos de Deus.

O Evangelho reflecte sobre a missão de Jesus e as suas implicações.

Define a missão de Jesus como um “lançar fogo à terra”, a fim de que desapareçam o egoísmo, a escravidão, o pecado e nasça o mundo novo – o “Reino”.

A proposta de Jesus trará, no entanto, divisão, pois é uma proposta exigente e radical, que provocará a oposição de muitos; mas Jesus aceita mesmo enfrentar a morte, para que se realize o plano do Pai e o mundo novo se torne uma realidade palpável.

A segunda leitura convida o cristão a correr de forma decidida ao encontro da vida plena – como os atletas que não olham a esforços para chegar à meta e alcançar a vitória.

Cristo – que nunca cedeu ao mais fácil ou ao mais agradável, mas enfrentou a morte para realizar o projecto do Pai – deve ser o modelo que o cristão tem à frente e que orienta a sua caminhada.


XXI Domingo do Tempo Comum - ANO C
25 de Agosto de 2013


A SALVAÇÃO


A liturgia deste domingo propõe-nos o tema da “salvação”.

Diz-nos que o acesso ao “Reino” – à vida plena, à felicidade total (“salvação”) – é um dom que Deus oferece a todos os homens e mulheres, sem excepção; mas, para lá chegar, é preciso renunciar a uma vida baseada nesses valores que nos tornam orgulhosos, egoístas, prepotentes, auto-suficientes, e seguir Jesus no seu caminho de amor, de entrega, de dom da vida.

Na primeira leitura, um profeta não identificado propõe-nos a visão da comunidade escatológica: será uma comunidade universal, à qual terão acesso todos os povos da terra, sem excepção.

Os próprios pagãos serão chamados a testemunhar a Boa Nova de Deus e serão convidados para o serviço de Deus, sem qualquer discriminação baseada na raça, na etnia ou na origem.

No Evangelho, Jesus – confrontado com uma pergunta acerca do número dos que se salvam – sugere que o banquete do “Reino” é para todos; no entanto, não há entradas garantidas, nem bilhetes reservados: é preciso fazer uma opção pela “porta estreita” e aceitar seguir Jesus no dom da vida e no amor total aos irmãos.

A segunda leitura parece, à primeira vista, apresentar um tema um tanto deslocado e marginal, em relação ao que nos é proposto pelas outras duas leituras; no entanto, as ideias propostas são uma outra forma de abordar a questão da “porta estreita”: o verdadeiro crente enfrenta com coragem os sofrimentos e provações, vê neles sinais do amor de Deus que, dessa forma, educa, corrige, mostra o sem sentido de certas opções e nos prepara para a vida nova do “Reino”.


Itália: PAPA APELA AO COMBATE DA IGREJA CONTRA AS FORÇAS DO MAL
Papa Francisco cumpriu tradição no dia da solenidade litúrgica da Assunção de Maria com milhares de pessoas em Castel Gandolfo



Castel Gandolfo, Itália, 15 ago 2013 (Ecclesia) – O Papa celebrou hoje a solenidade litúrgica da Assunção de Maria com milhares de pessoas, na localidade italiana de Castel Gandolfo, apresentando a mãe de Jesus como “sinal de esperança segura” na luta contra o mal.

Isto (a Assunção de Maria) não significa que esteja longe, que esteja separada de nós, pelo contrário, Maria acompanha-nos, luta connosco, apoia os cristãos no combate contra a força do mal”, declarou, na homilia da missa que decorreu na Praça da Liberdade, diante da residência pontifícia, perante peregrinos de vários países, incluindo vários argentinos e um grupo de chineses.

A intervenção de Francisco partiu de três palavras-chave, “luta, ressurreição, esperança”.

Segundo o Papa, a Igreja vive “continuamente as provas e os desafios que comporta o conflito entre Deus e o maligno”, numa luta que não enfrenta sozinha.

A mãe de Cristo e da Igreja está sempre connosco.

Sempre, caminha connosco, está connosco”, prosseguiu.

Francisco convidou à recitação do rosário e brincou com os presentes: “Vós rezais o terço todos os dias? Bem, não sei… de certeza?”.

O Papa disse ainda que a fé cristã se baseia numa “verdade fundamental”, que é a ressurreição de Jesus e que Maria passou pelo “martírio do seu coração” ao ver o sofrimento de Cristo na cruz.

Esteve plenamente unida a Ele na morte e, por isso, foi-lhe dado o dom da ressurreição”, observou.

Em conclusão, Francisco apresentou uma reflexão sobre a esperança perante a “luta quotidiana entre a vida e a morte, entre o bem e o mal”, como fizeram muitos “santos e santas”, conhecidos ou desconhecidos – “mães, pais, catequistas, missionários, padres, irmãs, jovens, também crianças, avós”.

Onde há cruz, para nós cristãos há esperança, sempre.

Se não há esperança, nós não somos cristãos, por isso apraz-me dizer: não deixeis que vos roubem a esperança”, observou.

Francisco cumpriu a tradição papal de celebrar a solenidade litúrgica da Assunção de Maria em Castel Gandolfo, tendo deixado o Vaticano pelas 09h00 locais (menos uma hora em Lisboa), começando por visitar o mosteiro de clausura das religiosas Clarissas, durante cerca de 45 minutos.

 
AVISOS
 
HORÁRIOS DAS MISSAS

Terça-feira, dia 20 de Agosto, às 18:30
Sábado, dia 24 de Agosto, às 17:00 30º Dia José Ferreira de Azevedo
                                                                   – Anivº Maria Alice Alves Maia
Domingo, dia 25 de Agosto, às 9:15

 
Terça-feira, dia 27 de Agosto, às 18:00 30º Dia Joaquim da Silva Arantes
                                                                          – Anivº Manuel Alexandre Teixeira da Silva
Sábado, dia 31 de Agosto, às 17:00
Domingo, dia 1 de Setembro, às 9:15


ATENDIMENTO
Não há atendimento durante o mês de Agosto

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

PAPA APELA À PAZ NO EGIPTO


O Papa lançou hoje um apelo à paz no Egipto, onde mais de 500 pessoas morreram na sequência dos confrontos que opõem o regime militar aos apoiantes do presidente deposto.

Desejo assegurar a minha oração por todas as vítimas e os seus familiares, pelos feridos e pelos que sofrem.

Rezemos juntos pela paz, o diálogo, a reconciliação nessa queridas terra e no mundo inteiro”, disse Francisco, após a recitação da oração do Angelus, na localidade italiana de Castel Gandolfo, arredores de Roma.

O Papa comentava as “notícias dolorosas” que chegam do Egipto, pedindo às milhares de pessoas presentes que rezem a “Maria, rainha da paz”.

A onda de violência no Egipto causou pelo menos 525 mortos na quarta-feira, informou hoje o Ministério da Saúde, entre os quais 202 manifestantes do campo de Rabaa al-Adawiya, no Cairo e 43 agentes policiais por todo o país.

Agência Ecclesia, Castel Gandolfo, Itália, 15AGO2013


quarta-feira, 14 de agosto de 2013

15 de Agosto, SOLENIDADE DA ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA


Ouça e veja em directo a emissão, na Rádio Vaticano, da missa celebrada pelo Papa Francisco, desde Castel Gandolfo, por ocasião da Solenidade da Assunção de Nossa Senhora.
(emissão da Rádio Vaticano, dia 15 de Agosto às 09:25, hora de Portugal)




O Santo Padre no final da Eucaristia proporá como habitualmente a oração mariana do Angelus neste dia de profunda devoção à Mãe de Jesus.

Antes da celebração, o Papa Francisco visitará em privado o Convento de Clausura das Clarissas nesta cidade do Lazio.
Trata-se da segunda visita do Papa Francisco às religiosas.
A primeira realizou-se em 14 de Julho passado.
Além do Papa Francisco, as Clarissas receberam a visita dos Papas Paulo VI, em 1971, de João Paulo II, em 1979, e Bento XVI em 2007.

Fonte: Rádio Vaticano

sábado, 10 de agosto de 2013

Boletim Paroquial nº 62


Semana de 11 a 18 de Agosto 2013
XIX Domingo do Tempo Comum - ANO C

SEMPRE VIGILANTES

 
A Palavra de Deus que a liturgia de hoje nos propõe convida-nos à vigilância: o verdadeiro discípulo não vive de braços cruzados, numa existência de comodismo e resignação, mas está sempre atento e disponível para acolher o Senhor, para escutar os seus apelos e para construir o “Reino”.

A primeira leitura apresenta-nos as palavras de um “sábio” anónimo, para quem só a atenção aos valores de Deus gera vida e felicidade.

A comunidade israelita – confrontada com um mundo pagão e imoral, que questiona os valores sobre os quais se constrói a comunidade do Povo de Deus – deve, portanto, ser uma comunidade “vigilante”, que consegue discernir entre os valores efémeros e os valores duradouros.

A segunda leitura apresenta Abraão e Sara, modelos de fé para os crentes de todas as épocas.

Atentos aos apelos de Deus, empenhados em responder aos seus desafios, conseguiram descobrir os bens futuros nas limitações e na caducidade da vida presente.

É essa atitude que o autor da Carta aos Hebreus recomenda aos crentes, em geral.

O Evangelho apresenta uma catequese sobre a vigilância. Propõe aos discípulos de todas as épocas uma atitude de espera serena e atenta do Senhor, que vem ao nosso encontro para nos libertar e para nos inserir numa dinâmica de comunhão com Deus.

O verdadeiro discípulo é aquele que está sempre preparado para acolher os dons de Deus, para responder aos seus apelos e para se empenhar na construção do “Reino”.


Vaticano: PAPA APROVA NOVAS REGRAS PARA O COMBATE À LAVAGEM DE DINHEIRO
Papa Francisco criou um Comité de Segurança Financeira para a Santa Sé e o Estado pontifício


Cidade do Vaticano, 08 ago 2013 (Ecclesia) – O Papa Francisco publicou hoje um conjunto de novas regras sobre a prevenção e combate à lavagem de dinheiro, com a criação de um Comité de Segurança Financeira no Vaticano.

A Carta Apostólica, em forma de ‘Motu Proprio’ (documento de iniciativa pessoal), quer colocar a Santa Sé em sintonia com os “esforços da comunidade internacional” para promover a “integridade, estabilidade e transparência” nos sectores económico e fina
nceiro.

Em causa, segundo o Papa, estão ainda a “prevenção e combate a actividades criminosas”.

Nesse sentido, o Comité de Segurança Financeira visa coordenar a acção das autoridades competentes da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano em matéria de “prevenção e combate à lavagem de dinheiro, ao financiamento do terrorismo e à proliferação de armas de destruição em massa”.

Desejo renovar o compromisso da Santa Sé na adopção dos princípios e na utilização dos instrumentos jurídicos desenvolvidos pela comunidade internacional”, sublinha Francisco.

De acordo com o Papa, todas as instituições do Vaticano devem adoptar medidas para prevenir o branqueamento de capitais e promover uma “vigilância preventiva sobre as entidades que desenvolvem profissionalmente uma actividade de natureza financeira”, a cargo da autoridade específica para este sector, criada por Bento XVI.

Francisco reforça assim o papel de supervisão da Autoridade de Informação Financeira e atribui-lhe funções de supervisão "prudencial", em resposta a uma recomendação do Moneyval, organismo especializado do Conselho da Europa.

A promoção do desenvolvimento humano integral no plano material e moral requer uma profunda reflexão sobre a vocação dos sectores económico e financeiro e sobre a sua correspondência ao fim último da realização do bem comum”, sustenta o documento pontifício.

Francisco apresenta o novo documento como uma continuação das disposições de Bento XVI, Papa emérito, que assinou um decreto relativo a estas áreas em Dezembro de 2010.

As disposições são relativas aos dicastérios da Cúria Romana e outros organismos e entidades dependentes da Santa Sé (órgão de governo central da Igreja Católica), bem como a organizações sem fins lucrativos que tenham sede no Estado da Cidade do Vaticano.


Portugal: IGREJA CATÓLICA SOLIDÁRIA COM EMIGRANTES
Semana Nacional de Migrações vai lembrar quem teve de deixar o país por causa da crise


Lisboa, 09 ago 2013 (Ecclesia) – A Obra Católica Portuguesa das Migrações (OCPM) vai promover a 41.ª semana nacional dedicada aos migrantes e refugiados, entre 11 e 18 deste mês, como “um momento especial” de atenção aos portugueses espalhados pelo mundo.

O ponto alto da celebração anual vai acontecer na peregrinação dos migrantes ao Santuário de Fátima, nos dias 12 e 13, que este ano será presidida por D. Jean Claude Hollerich, arcebispo do Luxemburgo, país onde está instalada uma importante comunidade de emigrantes portugueses.

A peregrinação terá como “intenção especial todos os portugueses que se viram obrigados a emigrar devido à situação económica de Portugal”, e será uma forma da Igreja Católica garantir a estas pessoas “uma verdadeira comunhão de fé e de esperança”.

Num comunicado dirigido a “todos os sectores da Igreja, entre os quais “dioceses, paróquias, capelanias, institutos de vida consagrada e movimentos eclesiais”, o organismo chama a atenção para as dificuldades que hoje enfrentam os “emigrantes, os missionários e os agentes pastorais” que os acompanham.

O permanente crescimento da emigração portuguesa que, com o acentuar da crise que Portugal atravessa será ainda maior no futuro, exige das estruturas pastorais da Igreja um maior empenho e um maior esforço material para apoiar aqueles que nos procuram em busca de ajuda”, salienta a OCPM.

Além de apontar fenómenos que estão por detrás dos fluxos migratórios, como a “precariedade económica, a carência dos bens essenciais, as calamidades naturais, guerras e desordens sociais”, Joseph Ratzinger destacou a questão da imigração ilegal, que pode levar ao tráfico e exploração de pessoas, com maior risco para as mulheres e crianças.

Para o dia 12, a partir das 16h00, está marcada uma conferência de imprensa de apresentação da peregrinação a Fátima, na Casa de Nossa Senhora do Carmo, organizada pela Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana, em conjunto com o Santuário de Fátima.

D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga e presidente da referida comissão, realça que o tema das Migrações “ressurgiu com interpelações novas” que não podem passar ao lado da Igreja Católica.

Não é fácil encarar a mobilidade, tantas vezes forçada, como uma peregrinação, ou seja, saída com sentido não meramente material mas com intuitos duma integralidade humana. Se a esperança está presente em todas as iniciativas, a fé pode dar sentido e significado a tantas ausências ou sofrimentos”, considera.

Os ofertórios eucarísticos, durante a Semana Nacional de Migrações, revertem a favor do trabalho da Obra Católica Portuguesa das Migrações.

A organização integrada na Conferência Episcopal Portuguesa apela à solidariedade e a generosidade dos cristãos, pois só assim poderá continuar a desempenhar a sua missão pastoral junto das comunidades migrantes.


AVISOS

HORÁRIOS DAS MISSAS

Terça-feira, não há Missa

Quarta-feira, dia 14 de Agosto, às 17:00
Quinta-feira, dia 15 de Agosto, às 9:15

Sábado, dia 17 de Agosto, às 17:00
Domingo, dia 18 de Agosto, às 9:15

ATENDIMENTO
Não há atendimento durante o mês de Agosto

41ª SEMANA NACIONAL DE MIGRAÇÕES - 11 a 18 de Agosto de 2013

Migrações; Peregrinação de Fé e de Esperança


Acolhendo o tema da Mensagem de Bento XVI para a Jornada Mundial do Migrante e do Refugiado 2013, Migrações: Peregrinação de Fé e de Esperança, a Obra Católica Portuguesa de Migrações e a Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana promovem a 41ª Semana Nacional de Migrações, que terá o seu ponto alto na Peregrinação dos Migrantes a Fátima, a 12 e 13 de Agosto.

Divulgamos esta iniciativa através do cartaz e do desdobrável, que inclui a mensagem do Presidente da Comissão Episcopal, D. Jorge Ferreira da Costa Ortiga, Arcebispo Primaz de Braga, informações sobre a Peregrinação e algumas indicações litúrgicas para a celebração da Jornada de Solidariedade com a Pastoral da Mobilidade Humana que se celebra no domingo, 18 de Agosto, que estão disponíveis nos Secretariados Diocesanos de Migrações e na OCPM.

Fazemos o apelo a todos os sectores da Igreja: Dioceses, Paróquias, Capelanias, Institutos de Vida Consagrada, Movimentos Eclesiais…, a acolherem e promoverem a Semana Nacional de Migrações, como um momento especial de comunhão com todos os migrantes, em particular com os emigrantes portugueses espalhados pelo mundo e com os missionários e agentes pastorais que dedicam a sua vida a acompanhá-los e a fortalecer a sua fé.

O permanente crescimento da emigração portuguesa que, com o acentuar da crise que Portugal atravessa será ainda maior no futuro, exige das estruturas pastorais da Igreja um maior empenhamento pastoral e um maior esforço material para apoiar aqueles que nos procuram em busca de ajuda. Recordamos que a OCPM subsiste e funciona exclusivamente com os donativos dos cristãos por ocasião do ofertório nacional e da celebração promovida nas Comunidades da Diáspora.

Por isso, fazemos o apelo a todos para promoverem a solidariedade e a generosidade dos cristãos para com este serviço da Igreja a nível nacional, pois só assim a OCPM poderá continuar a desempenhar a sua missão pastoral junto das comunidades migrantes.

Fazemos o convite à participação na Peregrinação dos Migrantes a 12 e 13 de Agosto, que este ano será presidida por D. Jean Claude Hollerich, Arcebispo do Luxemburgo.

A intenção especial desta Peregrinação serão todos os portugueses que se viram obrigados a emigrar devido à situação económica de Portugal, garantindo-lhes, assim, uma verdadeira comunhão de fé e de esperança da Igreja de Cristo que está no seu país natal.

Obra Católica Portuguesa de Migrações (OCPM)
 

 


PEREGRINAÇÃO DOS MIGRANTES A FÁTIMA
Ecclesia TV, passado na RTP2

terça-feira, 6 de agosto de 2013

O PAPA PAULO VI faleceu há 35 ANOS



Foi no dia 6 de Agosto de 1978 que morreu Giovanni Battista Montini, Sua Santidade o Papa Paulo VI (de 21JUN1963 até 06AGO1978).

Paulo VI, sucessor de João XXIII, concluiu o Concílio Vaticano II e foi o primeiro Papa a visitar Fátima - a 13 de Maio de 1967.

Nasceu a 26 de Setembro de 1897 na Lombardia, Itália, e foi ordenado padre em 1920.

Esteve ao serviço diplomático da Santa Sé, foi nomeado arcebispo de Milão em 1953 e cardeal em Dezembro de 1958, por João XXIII.

O Papa Paulo VI escreveu sete encíclicas:

Assinou ainda, entre outras, a exortação apostólica ‘Evangelii nuntiandi’ (8 de Dezembro de 1975), sobre a evangelização no mundo contemporâneo.

Hoje, dia da festa litúrgica da Transfiguração do Senhor, vai celebrar-se, na Basílica de São Pedro, uma missa para assinalar o 35.º aniversário da morte do Papa Paulo VI.



22JUN2013, Papa Francisco: Paulo VI testemunhou a fé em Jesus Cristo




No passado dia 22 de Junho de 2013, no discurso aos peregrinos da Diocese de Bréscia no 50º aniversário da eleição do Papa Paulo VI, o Papa Francisco afirmou:

Agradeço-vos porque me ofereceis a possibilidade de compartilhar convosco a recordação do Venerável Servo de Deus Paulo VI.

Esta é a vossa peregrinação durante o Ano da fé, e foi bom que quisestes realizá-la no 50º aniversário da eleição do vosso grande conterrâneo, Paulo VI.

Seriam muitas as coisas que gostaria de dizer e recordar a respeito deste grande Pontífice.

Pensando nele, limitar-me-ei a três aspectos fundamentais, que ele nos testemunhou e ensinou, deixando que os mesmos sejam explicados mediante as suas próprias palavras apaixonadas: o amor a Cristo, o amor à Igreja e o amor ao homem.

Um amor profundo a Cristo não para o possuir, mas para o anunciar.

O amor à Igreja, um amor apaixonado, o amor da vida inteira, jubiloso e sofrido, expresso desde a sua primeira Encíclica, Ecclesiam Suam.

O amor ao homem. Também este está ligado a Cristo: é a própria paixão de Deus que nos impele a encontrar o homem, a respeitá-lo, a reconhecê-lo e a servi-lo.

Na última sessão do Concílio Vaticano II, Paulo VI pronunciou um discurso que impressiona cada vez que o lemos. Em particular, onde fala da atenção do Concílio ao homem contemporâneo.

 
O discurso completo pode ser lido em:

 
Fontes: agencia.ecclesia.pt; www.news.va

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

FESTIVIDADES A SANTA EULÁLIA em S. ROMÃO DO CORONADO




Decorrem esta semana na vizinha paróquia de S. Romão do Coronado as festividades em honra de Santa Eulália que se celebram em anos intercalados com as de São Bartolomeu.

A Mártir Santa Eulália é padroeira de Mérida, cidade espanhola onde foi martirizada pelo fogo no ano de 304.

Como o nosso Mártir São Pantaleão, foi vítima da última grande perseguição aos cristãos no tempo do Império Romano.

 
 
Programa das festividades:

Dias 5, 6 e 7 de Agosto
Tríduo preparatório na Igreja Paroquial

Dias 9 e 10 de Agosto (Sexta e Sábado)
21:30 – Variedades seguidas de fogo de jardim

Dia 11 (Domingo)
10:30 – Missa em honra de Santa Eulália
17:00 – Procissão em honra de Santa Eulália
21:30 – Variedades
01:10 – Encerramento das festividades

sábado, 3 de agosto de 2013

Boletim Paroquial nº 61

Semana de 4 a 11 de Agosto 2013
XVIII Domingo do Tempo Comum - ANO C

 
A liturgia deste domingo questiona-nos acerca da atitude que assumimos face aos bens deste mundo.
Sugere que eles não podem ser os deuses que dirigem a nossa vida; e convida-nos a descobrir e a amar esses outros bens que dão verdadeiro sentido à nossa existência e que nos garantem a vida em plenitude.

No Evangelho, através da “parábola do rico insensato”, Jesus denuncia a falência de uma vida voltada apenas para os bens materiais: o homem que assim procede é um “louco”, que esqueceu aquilo que, verdadeiramente, dá sentido à existência.

Na primeira leitura, temos uma reflexão do “qohélet” sobre o sem sentido de uma vida voltada para o acumular bens… Embora a reflexão do “qohélet” não vá mais além, ela constitui um patamar para partirmos à descoberta de Deus e dos seus valores e para encontramos aí o sentido último da nossa existência.

A segunda leitura convida-nos à identificação com Cristo: isso significa deixarmos os “deuses” que nos escravizam e renascermos continuamente, até que em nós se manifeste o Homem Novo, que é “imagem de Deus”.

Naquele tempo, alguém, do meio da multidão, disse a Jesus:
«Mestre, diz a meu irmão que reparta a herança comigo».
Jesus respondeu-lhe:
«Amigo, quem Me fez juiz ou árbitro das vossas partilhas?»
Depois disse aos presentes:
«Vede bem, guardai-vos de toda a avareza:
a vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens».
 

Vaticano: PAPA APELA À CRIAÇÃO DE UM AMBIENTE DE «RESPEITO MÚTUO ENTRE CRISTÃOS E MUÇULMANOS»

 
Mensagem de Papa Francisco no âmbito do fim do Ramadão, destaca importância da educação das novas gerações
 
Cidade do Vaticano, 02 ago 2013 (Ecclesia) – O Papa Francisco escreveu uma carta às comunidades muçulmanas espalhadas pelo mundo que se preparam para celebrar o fim do Ramadão, nos dias 08 e 09 de Agosto.
Na mensagem, publicada hoje pela Rádio Vaticano, o Papa saúda todos quantos vão participar na festa do “Id al-Fitr”, depois de um mês “dedicado principalmente ao jejum, à oração e à esmola”, e destaca a importância da criação de um ambiente de “respeito mútuo entre cristãos e muçulmanos”.
Um ambiente que implica “respeitar a religião do outro, os seus ensinamentos, símbolos e valores” e em particular os “líderes religiosos e lugares de culto”, realça Francisco, lamentando a “dor” que têm causado “os ataques” entre as duas partes.
Uma sã convivência que significa também “respeitar nas pessoas a sua vida, integridade física, dignidade, direitos, reputação, propriedade, identidade étnica e cultural, ideias e opções políticas”, recorda.
O sucesso deste esforço, continua o Papa, dependerá muito do papel desempenhado pela “família, a escola, o ensino religioso e todos os meios de comunicação social”.
Formar jovens” que pensem e falem “das outras religiões e dos seus seguidores de forma respeitosa”, sem “denegrir ou ridicularizar convicções e práticas” é “fundamental”, sublinha Francisco, acrescentando que “só assim” cristãos e muçulmanos poderão “fomentar uma amizade sincera e duradoura”.
A mensagem de saudação ao povo islâmico, por altura do Ramadão, costuma ser enviada pelo Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, acompanhada por um tema para reflexão comum.
Este ano, o Papa decidiu assinar ele próprio o documento, no âmbito do seu “primeiro ano de pontificado”, para expressar a sua “estima e amizade por todos os muçulmanos, especialmente aos líderes religiosos”.
Francisco termina a carta desafiando cristãos e muçulmanos a fortalecerem os seus laços e a serem exemplos de “diálogo e cooperação”, garantindo ao mesmo tempo a sua oração para todo o povo islâmico.


JMJ 2013: 3,7 MILHÕES DE PESSOAS NA MISSA FINAL DA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE


Rio de Janeiro acolheu segundo maior encontro na história deste evento internacional da Igreja Católica
 
 
 
Rio de Janeiro, Brasil, 31 jul 2013 (Ecclesia) – O director executivo da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) revelou aos jornalistas que foram superadas as expectativas da edição do Rio de Janeiro, com 3,7 milhões de pessoas em Copacabana.
Em conferência de imprensa, terça-feira, o monsenhor Joel Portella, com base em dados disponibilizados pela Prefeitura (município) do Rio de Janeiro, revelou os números finais do encontro de jovens organizado pela Igreja Católica, na cidade brasileira, que entrou para a história como o segundo maior de sempre.
A JMJ realizada nas Filipinas, em 1995, há 18 anos, detém o primeiro lugar, com quatro milhões de pessoas enquanto a edição deste ano, juntou em Copacabana, no domingo, 3,7 milhões.
O director executivo da 28ª JMJ revelou que na Missa do Envio estiveram seis vezes mais pessoas que no primeiro ato central, com 600 mil pessoas.
No total, 3,5 milhões de pessoas participaram nas diversas actividades, encontros e momentos de oração da jornada que se dividiu entre Copacabana, Quinta da Boa Vista, na Lapa, Riocentro, para além de diversas paróquias da cidade.
A cerimónia de boas-vindas ao Papa Francisco, no dia 25, reuniu 1,2 milhões de pessoas e a via-sacra, no dia seguinte, 2 milhões.
Na noite de sábado, na vigília com o Pontífice estiveram 3,3 milhões de jovens na praia de Copacabana.
Segundo o Ministério do Turismo, estiveram presentes de pessoas de 175 países na Jornada Mundial da Juventude que originaram um impacto económico de 1800 milhões de reais (mais de 595 milhões de euros).
Para além de 220 mil brasileiros, os países com maior número de peregrinos foram a Argentina, Estados Unidos, Chile, Itália, Venezuela, França, Paraguai, Peru e México e dos inscritos internacionais 72,7 por cento estiveram no Brasil pela primeira vez e 86,9 por cento nunca tinham participado numa JMJ.
Dos peregrinos inscritos, 55% eram do sexo feminino e 60% do público tinha entre 19 e 34 anos.
Inscreveram-se 644 bispos, 28 dos quais são cardeais, 7814 sacerdotes, 632 diáconos e produzidas 4 milhões de hóstias, das quais 800 mil foram para Missa do Envio.
Foram atribuídas 6,4 mil credenciais a jornalistas que transmitiram a JMJ em 57 países.
As catequeses estiveram dispersas por 264 locais e foram ministradas em 25 idiomas.
A JMJ contou com a ajuda de 60 mil voluntários e mais de 800 artistas participaram nos actos centrais.
A saúde dos participantes foi assegurada por 11 postos médicos, com 79 camas e 60 ambulâncias, disponibilizados pela Secretaria Municipal de Saúde e foram registados 4780 atendimentos.
O esquema especial de saúde para os peregrinos envolveu 240 profissionais, dos quais103 médicos, 35 enfermeiros e 102 técnicos de enfermagem.

 
AVISOS
 
HORÁRIOS DAS MISSAS
Terça-feira, dia 6 de Agosto, às 19:30
Sábado, dia 10 de Agosto, às 17:00
Domingo, dia 11 de Agosto, às 9:15
 
ATENDIMENTO
Não há atendimento durante o mês de Agosto

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

INTENÇÃO DO PAPA para o mês de AGOSTO


Intenção do mês de Agosto encoraja a educação das novas gerações


Neste mês de Agosto, o Papa propõe ao Apostolado da Oração a seguinte intenção geral:

"Para que pais e educadores ajudem as novas gerações a crescerem com uma consciência recta e numa vida coerente".

"Toda a sociedade é responsável pela educação e educação correcta das novas gerações.
Esta responsabilidade não constitui para a sociedade uma simples oportunidade, mas um dever primário que deve ser cumprido se queremos construir um futuro melhor para todos.
Em primeiro lugar, é tarefa dos pais educarem os filhos, ensinando-os a viver, desde cedo, uma vida digna deste nome", comenta Pe. António Coelho, s.j, no site do Apostolado da Oração.
 
O Santo Padre propôs como Intenção Missionária:

"Para que as Igrejas locais na África, fiéis ao Evangelho, promovam a construção da paz e da justiça".

"Se a falta de paz e justiça se faz sentir em todas as partes do mundo, isso acontece com mais evidência na África.
A reconciliação e a justiça são as condições essenciais para a paz.
Sem estas condições, a paz será uma ilusão passageira", frisa ainda o jesuíta no site do Apostolado da Oração.

Rádio Vaticano 01-08-2013